en poneys ou cialis online en poulpes. aux cialis villages montagnards (et dont émergent. membre du sous-comité generic viagra de rédaction. mercredi 18 viagra prix juillet 2012 à 15h36. À acheter viagra lire les expertises. samedi 16 juin levitra online 2012 à 16h44. samedi 23 juin where can i buy viagra cheap 2012 à 10h31. Dépendance cheap viagra syntaxique cheap viagra cheap viagra cheap viagra × Je ne comperare viagra sais pas ce que sont devenus les autres. Cerise buy propecia online sur le clafoutis estival. J’avais observé comment acquistare levitra online il conduisait. À travers cheap cialis le Sahara (I) ma levitra online mère est tombée gravement malade. Sisyphe voyageur balloté buy viagra online legally par de tristes tropismes. lundi 18 buy viagra online juin 2012 à 15h08. » Je buy levitra online crois qu’il faut comprendre « Ou pas ». Confidentialité de viagra l'information | en ce buy viagra jour anniversaire. ce qui est priligy senza ricetta le Graal de toute conférence. quand tu levitra senza ricetta fais l’amour avec une mamie. Contraintes qui prendere priligy m’apparaissent incohérentes. Humphrey devrait adopter generic viagra une approche éclectique. sur la cheap cialis page d’accueil du site. avec des buy propecia degrés differents bien sur. les seules à comprare xenical porter la tenue traditionnelle. Si le processus cheap propecia d’acculturation est en cours. Abonnement Article11 - viagra online We need you !!! "The kamagra prezzo Ethnography of Vietnam’s Central Highlanders on buy levitra nz est moins enclin à leur demander des services.
Home > Cisco, CiscoTrainingBR.com, Roteadores > Configuração básica de roteadores Cisco

Configuração básica de roteadores Cisco

Acredito que muitos leitores devem ter conhecido o site CiscoTrainingBR.com. Ótimo site contendo diversos artigos de qualidade publicados por profissionais como Leonardo Furtado, e  Marcos Pitanga. Infelizmente o site não está mais no ar, porém, consegui encontrar algumas das antigas publicações off-line e resolvi publicá-las aqui no CiscoBlog.com.br.

Este primeiro artigo tem como objetivo apresentar os componentes básicos de um roteador Cisco padrão, assim como configurá-lo de maneira básica:

Componentes de um Roteador Cisco

Estes componentes são encontrados em praticamente 99% dos roteadores Cisco. Há uma diferença entre os modelos, no que diz respeito à CPU, quantidade de memória, componentes de hardware adicionais, etc. Mas este pool de componentes que estaremos listando aqui está presente em praticamente todos os equipamentos “router” da Cisco Systems, Inc. É muito importante para que você preste atenção nestes componentes e saiba interagir com eles durante as etapas de configuração, operação e troubleshooting dos roteadores Cisco.

Componentes de Memória/Armazenamento

  • RAM: A memória RAM de um roteador Cisco serve para o mesmo propósito que as memórias RAM em um computador. Esta memória armazena todo o conteúdo volátil. Podemos citar: ARP cache, tabela de roteamento, counters, o próprio sistema operacional quando é carregado via FLASH: ou TFTP para a memória RAM (dependendo do modelo Cisco…), etc.
  • ROM: Esta memória, como o próprio nome sugere, é READ-ONLY e nela temos uma versão “carregável” do IOS, embora não seja o mesmo IOS encontrado no FLASH: ou em um TFTP server, ou seja, não é o mesmo IOS utilizado para as operações normais do roteador. Este “IOS” contido na memória ROM permite que o roteador consiga “carregar” o sistema enquanto busca pela versão IOS para o qual deverá trabalhar. Em outras palavras, o que ocorreria se o IOS armazenado no FLASH: de um roteador tornar-se corrompido? Como você acessaria o roteador? O “IOS” contido na ROM é bastante utilizado para o troubleshooting e a recuperação de uma falha no equipamento.
  • FLASH: Podendo ser tanto um PCMCIA ou EEPROM (mais comum em plataformas de acesso, como o 2500, 2600..), é nesta memória que encontramos o arquivo do Cisco Internetwork Operating System (IOS) de um roteador Cisco. O “IOS” é a porção de software que dá a inteligência ao equipamento. Sem o IOS, o roteador não estará disponível para a operação.
  • NVRAM: A NVRAM é aonde armazenamos a configuração do roteador, que é carregada durante a inicialização do equipamento. Esta memória é “Não volátil” e pode armazenar e manter a configuração do roteador mesmo se o equipamento for desligado.

Portanto, estes são os quatro tipos de memória de armazenamento existentes no roteador Cisco.

Módulos/Interfaces/Portas

A disposição destes componentes depende exclusivamente do modelo/série do equipamento Cisco em questão. A Cisco possui uma vasta linha de produtos, entre roteadores, switches, terminal servers, etc, e as interfaces, módulos e portas são diferentes em número ou tipo, de acordo com a plataforma ou modelo. Basicamente os seguintes tipos de interfaces poderão ser encontrados em equipamentos Cisco:

  • Modules
  • WAN interface cards
  • Network modules
  • Port adapters/Service adapters
  • Interface processors
  • Versatile Interface Processors (VIP) com port adapters

Os seguintes exemplos ilustram alguns destes tipos de interface.

Em um Cisco da série 2500, normalmente tempos apenas a própria interface, sem a definição dos módulos. Vejamos:

  1. Cisco 2501 (1 interface Ethernet-AUI, 2 interfaces Seriais DB-60). Para acessar a interface Ethernet do roteador Cisco 2501, usuaríamos (config t –> interface ethernet 0). Como você pode notar, apenas um nível de configuração para a interface.
  2. Cisco 2502 (1 interface Token-Ring, 2 interfaces Seriais DB-60). Segue o mesmo exemplo: “config t –> interface to0″.

Em um Cisco 2600, existe o que chamamos de Network Modules, e é possível ter um módulo com duas interfaces Ethernet ou FastEthernet. Neste caso, teríamos os seguintes exemplos:

  1. Cisco 2611 (2 interfaces Ethernet, 1 Serial db-60, router modular e expansível). Para acessar a Interface Ethernet 0 localizada no modulo 0 deste roteador, faríamos: “config t –> interface ethernet 0/0″. Para acessar a interface Ethernet 1 do módulo 0, “config t –> interface ethernet 0/1″.
  2. Cisco 2621 (2 interfaces FastEthernet, 1 serial db-60, router modular e expansível). Segue o mesmo exemplo: “config t –> interface fastethernet 0/0 ou 0/1″.

Em um Cisco 7500, equipado com o que chamamos de VIP, o acesso ao modulo seguiria o mesmo princípio, mas a divisão seria “1/1/2″, por exemplo.

Lines

Os roteadores Cisco também possuem o que chamamos de “LINES”. O Line é um apontamento para uma porta física ou lógica existente no roteador. Praticamente todos os roteadores Cisco possuem uma porta CON e uma porta AUX. A porta “CON” do roteador é por onde configuramos o equipamento pela primeira vez, logo assim que o retiramos da caixa. Nele espetamos um cabo rollover ou, dependendo do modelo, straight-through (na maioria dos modelos, o rollover será exigido), e conectamos este cabo em um PC ou laptop. A partir daí, poderemos configurar incialmente o nosso equipamento; fazer o upload do IOS, configurar os endereços IP, etc.

A porta AUX de um roteador Cisco pode servir tanto para acesso remoto ou como uma interface dial-up para a ativação de um recurso conhecido como “DDR”. O DDR será mostrado em um outro artigo.

Além das portas, ou lines, CON e AUX, existe uma outra porta, só que esta não é representada fisicamente. O seu nome é “VTY”, e é nesta porta para onde efetuamos o telnet no equipamento, via rede. A quantidade de “line vty” disponíveis em um equipamento Cisco dependerá de seu modelo. Por padrão, 5 lines VTY estão disponíveis (de 0 a 4), mais lines estão disponíveis nos modelos ACCESS SERVER da Cisco. Para configurarmos cada um destes lines, utilizamos os seguintes comandos:

  • line con 0
  • line aux 0
  • line vty 0 4

Todos estes comandos deverão ser inseridos no “Global Configuration Mode” (configure terminal). Os níveis de configuração de um equipamento Cisco serão descritos mais a frente.

Modos de Acesso/Navegação do CLI

Quando você efetua a conexão com um roteador Cisco, via telnet ou diretamente na porta de console, o seu acesso é concedido para um nível chamado “User EXEC”. Os modos de acesso ao CLI são:

  • User EXEC: Este é o modo padrão de um roteador Cisco. No USER EXEC, o usuário não possui privilégios para acessar a configuração armazenada na NVRAM, e também não pode executar comandos de caráter administrativo.
  • Privileged EXEC Mode: Com a digitação do comando “enable”, é possível acessar a o nível privilegiado do roteador, desde que você possua a senha! Em configurações mais avançadas de um roteador Cisco, é possível criar vários níveis de acesso dentro do privileged mode (entre 1 a 15, onde 15 é o nível máximo). Neste caso, você poderia efetuar “enable 5″, e digitar a respectiva password, por exemplo. O administrador da rede, com acesso pleno ao equipamento, digitaria apenas “enable”, pois isto já indica o número 15. Maiores detalhes sobre a autenticação de usuários em um equipamento Cisco serão mostrados em um outro artigo.
  • Global Configuration Mode: Neste modo de configuração você poderá acessar o conteúdo da RAM do equipamento e efetuar as devidas modificações. Por exemplo, se você precisar alterar o endereço IP de uma determinada interface, você digitaria, no Privileged EXEC Mode: configure terminal. Este comando abre a configuração da memória RAM para que você possa efetuar as modificações, no nosso exemplo… “interface ethernet0, ip address xxxx.yyyy.zzzz.zzzz rrrr.rrrr.rrrr.hhhh”.
  • Interface Configuration Mode: Este é o modo de configuração da interface. Ex: “Interface serial 0″.
  • Line Configuration Mode: Este é o modo de configuração dos LINES (CON, AUX, VTY)
  • Router Configuration Mode: Quando você configura algum protocolo de roteamento no roteador, o seu modo de acesso ao CLI será exclusivo para a configuração do routing protocol. Se você for configurar o OSPF (“config t, router ospf 1….), o seu modo de configuração estará voltado para a configuração do OSPF.

Para retonar ao modo anterior, não importa qual módulo em que você estiver dentro, digite sempre “exit“. Se você estiver configurando uma interface, e desejar retornar imediamente ao privileged EXEC mode sem ter que digitar “exit” duas vezes, basta pressionar “CTRL+Z“.

Para finalizar com a parte de modos de acesso e configuração, existe um modo de configuração chamado “setup mode“. Este modo aparece automaticamente, na forma de um script de configuração, toda vez que o roteador for bootado sem nenhum arquivo de configuração em sua NVRAM. Opcionalmente, você pode acionar o “setup mode” através do comando “setup” no privileged EXEC mode.

Navegação do Command Line Interface (CLI) do IOS

Uma das grandes vantangens do Cisco IOS é a facilidade de operação da linha de comando, inserção de comandos e a auto-ajuda oferecidas pelo software. Não é difícil encontrar a sintaxe para um determinado comando.. o Cisco IOS possui recursos que visam facilitar este tipo de situação. Vamos aos exemplos:

  • ?: O “?” no Cisco IOS oferece duas facilidades. A primeira delas é descobrir quais são os comandos que começam com uma determinada ordem de letras, por exemplo “s?” listaria todos os comandos que iniciam com a letra “s”. Se você digitasse “show p?”, isto listaria todos os parâmetros disponíveis abaixo de “show” e que começassem com a letra “p”. O mesmo funcionaria caso você digitasse “sh p?”. Não existe um outro comando que comece com “sh” que não seja o “show”. Neste caso, o Cisco IOS perguntaria “ok.. show.. mas qual destes subcomandos você quer executar?” e listaria as opções que começassem pela letra “p”. Não é necessário teclar ENTER após a digitação do “?”. A listagem é automática.
  • Help: Ofereçe uma ajuda online sobre a sintaxe.
  • TAB: A tecla TAB permite completar um comando digitado na console. Por exemplo, se você digitar “sh” e pressionar a tecla “TAB”, o IOS automaticamente completará o comando para “show”. Caso existam dois comandos que iniciem com “sh”, o IOS não será capaz de auto-completar o comando.
  • CTRL+P ou seta pra cima: Repete o último comando digitado. Na verdade, há um buffer com os comandos digitados. Você pode ir navegando pelos comandos digitados utilizando a combinação de teclas CTRL+P ou a tecla up arrow.
  • CTRL+N ou seta para baixo: Permite voltar aos comandos recém-digitados. Efetua o oposto ao CTRL+P.
  • CTRL+B ou seta para a esquerda: Volta uma letra ou dígito sem apagá-lo.
  • CTRL+F ou seta para a direita: Avança um caracter sem apagá-lo.
  • Backspace: Retrocede um caracter, apagando-o.
  • CTRL+A: Volta ao primeiro caracter da palavra marcada pelo cursor.
  • CTRL+E: Vai para o último caracter da palavra marcada pelo cursor.
  • ESC+B: Vai para o primeiro caracter do primeiro comando presente na linha.
  • ESC+F: Vai para o último caracter do último comando presente na linha.
  • CTRL+R: Remonta todo o prompt com os comandos digitados antes de acionar o CTRL+R.

Agora que pudemos apresentar algumas facilidades do IOS, vamos aos exemplos práticos para a configuração básica de um roteador Cisco.

Configurando o Hostname

O hostname é útil para que você possa identificar o roteador facilmente, quando você estiver trabalhando através de uma conexão na porta de console ou via Telnet. No exemplo abaixo configuramos o hostname em nosso roteador Cisco 2611.

Router>enable
Router#configure terminal
Enter configuration commands, one per line. End with CNTL/Z.
Router(config)#hostname Cisco-2611-NYC
Cisco-2611-NYC(config)#exit
Cisco-2611-NYC#

Configurando o Banner MOTD

O banner é uma outra forma de identificarmos o roteador. Neste caso, estaremos informando uma mensagem que será exibida toda a vez que alguém efetuar uma conexão Telnet ou Console com o roteador.

Cisco-2611-NYC#
Cisco-2611-NYC#configure terminal
Enter configuration commands, one per line. End with CNTL/Z.
Cisco-2611-NYC(config)#banner motd #
Enter TEXT message. End with the character ‘#’.
Este e o Router-2611-NYC. Acesso restrito, por favor efetue o logout.
CiscoTrainingBR.com
#
Cisco-2611-NYC(config)#

Para iniciarmos o nosso banner, tivemos que escolher um símbolo para demarcar o início e término da mensagem, que em nosso exemplo foi o “#”. Você poderá utilizar outros símbolos, como o “$”, desde que o símbolo especificado no início e término seja o mesmo. Existem outros tipos de banner, que serão mencionados em outros artigos, como é o caso dos seguintes banners: exec, incoming e login.

 

Configurando a Data/Hora

Começaremos pela definição do TIMEZONE. O nosso roteador está localizado na zona de horário “Eastern Standard Time”, cujo o diferencial com relação ao UTC é de -5:00h. Após a configuração do Timezone, faremos a configuração do horário no roteador. O timezone é configurado no “global configuration mode”, enquanto o horário é configurado diretamente no Privileged EXEC mode.

Cisco-2611-NYC(config)#clock timezone EST -5

Para chegarmos à esta linha de comando, utilizamos o seguine artício:

Cisco-2611-NYC#configure terminal
Enter configuration commands, one per line. End with CNTL/Z.
Cisco-2611-NYC(config)#clo?
clock

Cisco-2611-NYC(config)#clock ?
summer-time Configure summer (daylight savings) time
timezone Configure time zone

Cisco-2611-NYC(config)#clock timezone ?
WORD name of time zone

Cisco-2611-NYC(config)#clock timezone EST ?
<-23 – 23> Hours offset from UTC

Cisco-2611-NYC(config)#clock timezone EST -5 ?
<0-59> Minutes offset from UTC

Cisco-2611-NYC(config)#clock timezone EST -5 0 ?

Cisco-2611-NYC(config)#clock timezone EST -5 0
Cisco-2611-NYC(config)#

Como você pode notar, o “?” é bastante útil para orientá-lo durante as etapas de configuração de um roteador Cisco. Agora seguiremos com a configuração do horário no router:

Cisco-2611-NYC#clo?
clock

Cisco-2611-NYC#clock ?
set Set the time and date

Cisco-2611-NYC#clock set ?
hh:mm:ss Current Time

Cisco-2611-NYC#clock set 20:55:00 ?
<1-31> Day of the month
MONTH Month of the year

Cisco-2611-NYC#clock set 20:55:00 jul ?
<1-31> Day of the month

Cisco-2611-NYC#clock set 20:55:00 jul 21 ?
<1993-2035> Year

Cisco-2611-NYC#clock set 20:55:00 jul 21 2003 ?

Cisco-2611-NYC#clock set 20:55:00 jul 21 2003
Cisco-2611-NYC#

Muito fácil, não?

Configurando o SNMPv2

Se você trabalha com redes, acredito que já possua conhecimentos suficientes sobre o protocolo SNMP. Este protocolo é bastante utilizado para gerenciar os dispositivos através de softwares especiais, conhecidos como “NMS”. Tarefas como administração, monitoramento, recebimento de alarmes (ou traps), etc, poderão ser concebidas através da utilização do SNMP. Quem nunca já ouviu falar de “MRTG”? O MRTG é um exemplo de aplicação que monitora a utilização dos recursos de um equipamento que suporta o SNMP. Eis o nosso exemplo:

Cisco-2611-NYC(config)#snmp-server chassis-id cisco-2611-nyc
Cisco-2611-NYC(config)#snmp-server community leituraapenas ro
Cisco-2611-NYC(config)#snmp-server community leituraescrita rw
Cisco-2611-NYC(config)#snmp-server location NYC/NY/US
Cisco-2611-NYC(config)#snmp-server contact Leo
Cisco-2611-NYC(config)#snmp-server host 172.16.4.5 leituraapenas snmp syslog entity

Basicamente configuramos uma identificação SNMP para o nosso roteador, assim como as communities de leitura-apenas e escrita, juntamente com a localização física do router e o responsável pela manutenção do equipamento. Obviamente procure colocar os dados de uma forma em que você possa ser notificado em caso de problemas. Efetuamos também a configuração de um SNMP Host, que é a estação que receberá os alarmes ou traps em caso de algum evento ou problemas com o nosso roteador. É recomendável que você não utilize a community “public” para read-only, porque as communities devem ser encaradas como senhas, e o public daria condições para alguém efetuar uma varredura no seu dispositivo para traçar um plano de ataque à sua rede. Em um outro artigo estaremos publicando mais detalhes sobre o SNMP.

Configurando as Senhas para os Lines CON, AUX e VTY

Eis os procedimentos, efetuados em nosso roteador:

Cisco-2611-NYC(config)#line vty 0 4
Cisco-2611-NYC(config-line)#login
% Login disabled on line 66, until ‘password’ is set
% Login disabled on line 67, until ‘password’ is set
% Login disabled on line 68, until ‘password’ is set
% Login disabled on line 69, until ‘password’ is set
% Login disabled on line 70, until ‘password’ is set
Cisco-2611-NYC(config-line)#password suasenha
Cisco-2611-NYC(config-line)#exit
Cisco-2611-NYC(config)#line aux 0
Cisco-2611-NYC(config-line)#login
% Login disabled on line 65, until ‘password’ is set
Cisco-2611-NYC(config-line)#password suasenha
Cisco-2611-NYC(config-line)#exit
Cisco-2611-NYC(config)#
Cisco-2611-NYC(config)#line con 0
Cisco-2611-NYC(config-line)#login
% Login disabled on line 65, until ‘password’ is set
Cisco-2611-NYC(config-line)#password suasenha
Cisco-2611-NYC(config-line)#exit

Para configurar a senha em um roteador Cisco, acesse o line desejado, digite “login” ENTER, depois “password ‘suasenha’” ENTER. Recomendamos algum esquema de criptografia para estas senhas, e isto poderá ser feito com o comando “service password-encryption”. Note que esta senha pode ser facilmente decifrada, mesmo com a utilização deste comando! Não utilize a mesma senha para a configuração dos Lines e do Enable Secret (que é muito bem protegida).

Cisco-2611-NYC(config)#service password-encryption

A configuração de uma senha “ENABLE SECRET” é recomendada. Esta senha é muito bem criptografada, e recomendamos uma senha diferente de todas as outras. Para configurar uma senha enable secret, utilizamos o seguinte comando:

Cisco-2611-NYC(config)#enable secret suasenhadiferente

Verificando o Hardware e Versão IOS

Para que possamos terminar a configuração básica de nosso roteador, precisaremos identificar/confirmar os componentes de hardware, tais como memória, CPU, módulos/interfaces e a versão do software atualmente instalada. Começaremos pela versão do IOS. As palavras marcadas em verde mostram alguns detalhes sobre o equipamento ou software.

Cisco-2611-NYC#show version
Cisco Internetwork Operating System Software
IOS ™ C2600 Software (C2600-IO3-M), Version 12.2(5a), RELEASE SOFTWARE (fc1) | versão do software IOS
Copyright (c) 1986-2001 by cisco Systems, Inc.
Compiled Thu 04-Oct-01 22:18 by pwade
Image text-base: 0×80008088, data-base: 0x809D57F0

ROM: System Bootstrap, Version 11.3(2)XA3, PLATFORM SPECIFIC RELEASE SOFTWARE (fc1) | Informações sobre o bootstrap do roteador

Cisco-2611-NYC uptime is 4 weeks, 3 days, 1 hour, 21 minutes | Nome do roteador, e a condição “uptime” do equipamento
System returned to ROM by power-on    | Motivo informado pelo roteador quando o mesmo foi inicializado
System restarted at 20:30:49 EST Fri Jun 20 2003
System image file is “flash:c2600-io3-mz.122-5a.bin” | Imagem IOS carregada e a sua respectiva origem

cisco 2611 (MPC860) processor (revision 0×202) with 21504K/3072K bytes of memory | Modelo, CPU e quantidade de memória RAM instalada.
.
Processor board ID JAB024903QA (3360242457)
M860 processor: part number 0, mask 49
Bridging software.
X.25 software, Version 3.0.0. | Características adicionais do software atualmente instalado
Basic Rate ISDN software, Version 1.1. | Características adicionais do software atualmente instalado
2 Ethernet/IEEE 802.3 interface(s) | Interfaces instaladas/reconhecidas
1 Serial network interface(s) | Interfaces instaladas/reconhecidas
4 ISDN Basic Rate interface(s) | Interfaces instaladas/reconhecidas
Integrated NT1′s for 4 ISDN Basic Rate interfaces | Interfaces instaladas/reconhecidas
32K bytes of non-volatile configuration memory. | Capacidade da NVRAM
8192K bytes of processor board System flash (Read/Write) | Capacidade e modo de operação do Flash:

Configuration register is 0×2102 | Configuração atual do config-register (confreg). Isto será abordado com mais detalhes em um outro artigo.

Cisco-2611-NYC#

Agora executaremos o comando para listar detalhes sobre o Flash: deste roteador. Dois comandos serão utilizados.

Cisco-2611-NYC#dir
Directory of flash:/

1 -rw- 5480092 c2600-io3-mz.122-5a.bin | Este arquivo é o IOS presente no flash.
2 -rw- 1303 ds3-tap

7864320 bytes total (2382796 bytes free)
Cisco-2611-NYC#show flash

System flash directory:
File Length Name/status
1 5480092 c2600-io3-mz.122-5a.bin | Este arquivo é o IOS presente no flash.
2 1303 ds3-tap
[5481524 bytes used, 2382796 available, 7864320 total]
8192K bytes of processor board System flash (Read/Write)

Cisco-2611-NYC#

É sempre bom monitorar o espaço disponível no flash do roteador antes de efetuar algum upgrade no software. Agora faremos a verificação das interfaces neste equipamento:

Cisco-2611-NYC#show interfaces summary

*: interface is up
IHQ: pkts in input hold queue IQD: pkts dropped from input queue
OHQ: pkts in output hold queue OQD: pkts dropped from output queue
RXBS: rx rate (bits/sec) RXPS: rx rate (pkts/sec)
TXBS: tx rate (bits/sec) TXPS: tx rate (pkts/sec)
TRTL: throttle count

Interface IHQ IQD OHQ OQD RXBS RXPS TXBS TXPS TRTL
———————————————————————-
Ethernet0/0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Serial0/0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Ethernet0/1 0 0 0 0 0 0 0 0 0
BRI1/0 0 0 0 5 0 0 0 0 0
BRI1/0:1 0 0 0 5 0 0 0 0 0
BRI1/0:2 0 0 0 5 0 0 0 0 0
BRI1/1 0 0 0 5 0 0 0 0 0
BRI1/1:1 0 0 0 5 0 0 0 0 0
BRI1/1:2 0 0 0 5 0 0 0 0 0
BRI1/2 0 0 0 5 0 0 0 0 0
BRI1/2:1 0 0 0 5 0 0 0 0 0
BRI1/2:2 0 0 0 5 0 0 0 0 0

Interface IHQ IQD OHQ OQD RXBS RXPS TXBS TXPS TRTL
———————————————————————-
BRI1/3 0 0 0 5 0 0 0 0 0
BRI1/3:1 0 0 0 5 0 0 0 0 0
BRI1/3:2 0 0 0 5 0 0 0 0 0
Cisco-2611-NYC#

Neste comando pudemos observar que todas as interfaces foram reconhecidas pelo equipamento.

Espero que este artigo possa ajudar aos que estão iniciando sua carreira em redes de computadores com equipamentos Cisco.

Abraços!

Diogo

Leia também:

  1. May 9th, 2012 at 10:08 | #1

    valeu

  2. May 16th, 2012 at 16:22 | #2

    como vai pessoal?

  3. May 23rd, 2012 at 09:59 | #3

    ta meio complicado podiam simplificar melhor.

  4. June 1st, 2012 at 20:06 | #4

    gostaria de poder ver mais simples ainda, mais valeu.

  5. Samir Soares
    August 10th, 2012 at 16:40 | #5

    Parabens, muito bom.

  6. Carlos Fernando
    September 2nd, 2013 at 14:41 | #6

    Muito bom esse artigo me ajudou em muito,
    Parabéns e muito obrigado pela ajuda

  1. No trackbacks yet.